Editor, corrija por favor!

em Digestivo Cultural

Um péssimo hábito da maioria dos jornais é não dar a menor pelota para correções de informação enviadas por seus leitores. E com a qualidade de muitas redações pela hora da morte, correções são necessárias e enviadas. Não estou falando de mudar a opinião de um colunista, não. Estou falando de fatos errôneos, de números incoerentes, ou de notícias baseadas em lugares-comuns que não refletem a realidade.

Este ano resolvi tirar a prova dos nove.

Normalmente ignoro uma reportagem quando percebo que existem nela fatos incorretos ou de conhecimento ultrapassado. Basta ler a maioria das reportagens sobre a China ou a Índia. Como tenho acesso a informações muito atualizadas desses países, aqui na Califórnia, rapidamente encontro os furos… No mau sentido do termo.

Pois bem, este ano diligentemente escrevi para a redação do jornal que meus pais assinam. Um grande jornal do Rio de Janeiro. Foram cerca de dez cartas, já com correções em assuntos distintos, que vão desde casamento indiano a política, ciência ou mesmo acidentes de avião da Gol. Tomei cuidado para escrever as cartas sem insultar ninguém ou mesmo ser agressivo. A maioria delas tinham no máximo dois parágrafos, com as fontes de todas informações (a última teve cinco, porque, a cada parágrafo, havia uma informação dúbia ou incorreta).

Adivinhem quantas cartas foram publicadas? Uma? Duas? Ou mesmo uma nota do editor corrigindo a informação no rodapé da página três? Que nada… Zero! É isso aí, pessoal.Para esses jornais, pelo visto, a reputação, a pequena política do repórter, é mais importante do que a informação, do que a notícia mesma. Não à toa, têm feito tradução de artigos do NY Times, da New Yorker, com duas semanas de atraso, e que são apresentados como grande novidade…! Não vou nem comentar a seção de ciência, que é uma tradução da Reuters… Por algum motivo estranho, eu sabia quem era o Nobel de Física antes de sair no jornal (quatro dias antes para ser mais exato)!

Por isso, me parece cada vez mais óbvio: quando traduzir um texto se tornar mais barato do que comprar um jornal, e isso já está quase lá (com os softwares de tradução automática), as redações da maioria dos jornais brasileiros irá simplesmente acabar… Porque a função de editor, e de jornalista, que são, respectivamente, garantir a qualidade e a correção da publicação, e desencavar informações atualizadas, me parecem praticamente extintas.

por Ram Rajagopal

Anúncios

2 comentários sobre “Editor, corrija por favor!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s