A molécula do sabor

Cientistas e chefs se unem para decifrar a química dos alimentos e descobrem a partícula responsável pelo sabor dos bons pratos

da IstoÉ

Apaixonado pela gastronomia, o químico húngaro Nicholas Kurti (1908-1998), professor emérito da Universidade de Oxford, indignava-se quando lhe serviam um suflê mal assado. O professor dizia: “É um absurdo que se conheça a temperatura do interior das estrelas e se ignore a da massa do meu prato favorito.” Atualmente, os grandes chefs internacionais são unânimes em afirmar que 50º Celsius é a temperatura ideal para prepará-lo. E essa marca só pôde ser cravada porque, cada vez mais, a gastronomia se vale da ciência para aperfeiçoar cardápios. Essa nova área de pesquisa se chama Gastronomia Molecular e seu objetivo é compreender como as moléculas dos alimentos atuam em nosso organismo nos quesitos sabor e prazer – sobretudo no neurotransmissor chamado dopamina, que, em nosso cérebro, responde pela saciedade e bem-estar.
“É a molécula do sabor que dá a sensação de prazer”, diz o chef americano David Kasabian, um dos pioneiros nesse ramo. Batizada de umami, essa molécula foi descoberta pelo professor de química da Universidade de Tóquio Kikunae Ikeda. A idéia de isolá-la surgiu depois que ele percebeu que o sabor de seu adorado dashi (sopa de algas kombu com lascas de peixe seco) não era doce, amargo, salgado nem azedo. Intrigado, o químico levou o caldo para seu laboratório e descobriu, então, que o gosto do dashi vinha de um aminoácido chamado glutamato – e a molécula umami é um dos principais componentes desse glutamato. Ikeda também isolou essa molécula no tomate, na carne e em queijos fortes.

A sua pesquisa abriu uma nova fronteira para os chefs, que, conhecendo a molécula umami, passaram a recorrer a laboratórios para testar os seus truques e segredos de cozinha. Chegaram à conclusão de que os alimentos ricos em umami dão muito mais prazer porque ele é um estimulante da dopamina. Quem gosta de peixe, por exemplo, pode se sentir saciado com qualquer pescado, mas o prazer em saboreá-lo é diretamente proporcional à quantidade de umami presente no prato. Não há quem coloque ketchup até sobre pizza? A resposta é sim. E a razão é a seguinte: para quem adora pizza, ela fica ainda mais atraente com esse molho porque ele é rico em umami.

No casamento entre a ciência e a gastronomia, os dois lados saem ganhando. A prova disso é que a partir desses estudos se identificou, em nossas línguas, a presença da proteína mGluR4. Através do mecanismo biológico conhecido como “chave-fechadura”, essa proteína e a molécula umami se “encaixam” perfeitamente durante a mastigação. Os testes clínicos mostraram que, ao ingerir o umami, os voluntários tiveram os seus batimentos cardíacos acelerados e, no cérebro, houve um aumento no índice de recaptação de dopamina. Ou seja: a molécula umami, presente nos alimentos, funciona como uma droga natural que pode potencializar o sabor dos pratos e o prazer de nos alimentarmos, interagindo com a nossa química cerebral. Mas, apesar de potencializar o sabor dos alimentos, o umami não faz milagres: quem não gosta de um determinado prato, não o apreciará somente porque ele tem a molécula do sabor.

Mesmo com essas pesquisas seguindo em todo o mundo com ritmo acelerado, ainda são raros os restaurantes que vão se especializando em “cardápios científicos”. Um dos mais famosos é o inglês The Fat Duck, pertencente ao cozinheiro Heston Blumenthal, que se associou a um químico de Londres. Com a ajuda da ciência, Blumenthal conseguiu incluir o seu estabelecimento no conceituado Guia Michelin, a bíblia da gastronomia internacional. Uma de suas criações prediletas são as hóstias de chocolate branco com caviar. A mistura, totalmente estapafúrdia à primeira vista, mostrou-se cientificamente perfeita quando foi submetida a um espectômetro de massa. Esse instrumento, utilizado em laboratórios de química para calcular a massa e a estrutura dos átomos, revelou que as moléculas responsáveis pelo aroma e pelo sabor do chocolate e do caviar são extremamente parecidas. Foi assim que surgiu esse prato exclusivo do The Fat Duck – uma delícia que pesa menos de 20 gramas e custa cerca de US$ 240. “Através da molécula do sabor, criamos essa verdadeira jóia da gastronomia”, diz Blumenthal.

Anúncios

Um comentário sobre “A molécula do sabor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s