O acusador

Da Folha de S.Paulo 

Lula não faz esforço algum para respeitar o cargo, soltando-se em um palavrório que vagueia entre o grotesco e o desprezível

ALÉM DE NÃO merecer maior crédito, porque há muito o próprio Lula já esclareceu que seu estoque de credibilidade era fabricado com bravatas e outras enganações, sua entrevista a “The New York Times” é um insulto ao sistema investigatório e judicial brasileiro, portanto ao país mesmo. Bem que mereceria um processo por falta da compostura obrigatória em um presidente. Ou, para estar na moda, digamos que da falta de decoro presidencial.

É no trecho em que defende José Dirceu, mas não pela defesa em si. Lula: “Não acredito que haja qualquer prova de que Dirceu cometeu o crime de que é acusado”.

Ou seja, o Ministério Público no Brasil é incompetente e inconfiável. O procurador-geral da República é incapaz e leviano, porque denunciou sem justificaiva o ex-ministro ao Supremo Tribunal Federal. E este tribunal supremo é composto de ministros irresponsáveis, porque decidiram, com base nos elementos insuficientes da denúncia, pelo processo e julgamento de José Dirceu.

O procurador-geral da República não foi apenas nomeado por Lula, foi por ele renomeado para segundo mandato. Seis dos dez ministros do Supremo (maioria absoluta) foram nomeados por Lula. Logo, as palavras de Lula ao NYT não falam só dos nomeados, também ou sobretudo definem as nomeações e seu autor. Mas nem como confissão pessoal são admissíveis em um presidente, e tanto mais se emitidas para conceituações estrangeiras sobre o seu país.

José Sarney padeceu muito por suas referências à “liturgia do cargo” presidencial. Mas a verdade é que se esforçou muito para cumprir tal dever a rigor. As expectativas eram tantas e justificadas, para o que deveria seguir-se à ditadura militar, que até uma expressão adequada excita os ímpetos da insatisfação. Com Lula tem sido o oposto: não faz esforço algum para respeitar o seu cargo, soltando-se em um palavrório infinito que costuma vaguear entre o grotesco e o desprezível.

O Lula que deprecia o sistema investigatório e judicial brasileiro é o Lula cujo ministro da Justiça é esperado hoje da Europa, onde foi exibir a autoridades do Mônaco várias partes do processo condenatório de Salvatore Cacciola. Para quê? Como comprovações da competência e da seriedade do sistema investigatório e judicial brasileiro que condenou o banqueiro fugitivo. E investigou e vai julgar 40 associados a Lula.

A ficção

Ou são feitas alterações nos discursos que Lula levou para os Estados Unidos, ou terão uma função didática para estrangeiros.

Os textos incluíram, por ordem de Lula, extensos trechos para “mostrar que o Brasil tem muito a ensinar ao mundo todo em matéria de proteção ambiental contra o desmatamento e a emissão de CO2”, e tome de números. O contraste com os dados que já chegam por lá, comprovando que o desmatamento e as queimadas voltaram a crescer ferozmente na Amazônia, levará à constatação de uma face autêntica de Lula.

por Janio de Freitas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s