A Ciência Social de criar filhos felizes

Do Freakonomics.com

No nosso livro “Freakonomics”, escrevemos a respeito do nosso ponto de vista sobre a tarefa de criar os filhos. Sobremaneira, mostramo-nos céticos quanto à capacidade dos pais fazerem algo para melhorar o futuro dos filhos.

É óbvio que pode-se ser um pai ou mãe terríveis, cuja marca registrada seja a negligência ou o abuso. A questão mais difícil é determinar se um pai “obsessivo” que arrasta os filhos para sessões intermináveis de aulas de futebol, a museus, a aulas de teatro é melhor do que aquele que simplesmente senta-se no sofá assistindo a “Austin Powers” com as crianças.

Um grupo de cientistas sociais dedicou um esforço enorme para descobrir o que torna as crianças felizes. Quem sabe eles não obtiveram as respostas corretas? De qualquer maneira, eles disponibilizaram uma grande quantidade de material interessante para os pais no website do Greater Good Science Center (“Centro de Ciência do Bem Maior”) da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Há de tudo lá, desde dicas sobre “abraçar o fracasso das crianças” até “o ensino da gratidão”.

No seu site, o Greater Good Center se identifica como “um centro de pesquisas interdisciplinares dedicado ao entendimento científico de indivíduos felizes e compassivos, dos laços sociais fortes e do comportamento altruísta”. A sessão científica do site é bastante acadêmica, se é isto o que você prefere.

O fato de visitar o site me deixou pensando sobre qual deveria ser a nossa meta ao criarmos os filhos. A meta declarada do Greater Good Center é ajudar os pais a criar “filhos felizes e emocionalmente esclarecidos”. São metas louváveis, mas certamente não são as únicas – ou sequer as primeiras – que me vêm à mente.

Eu me preocupo mais em criar filhos que serão adultos felizes e bem-sucedidos, mesmo se isso significar que eles não sejam tão felizes como crianças. Quero que os meus filhos gostem de mim quando crescerem, mas também quero que eles façam o que eu lhes diga que façam, da primeira vez que lhes digo que façam algo.

Não quero que os meus filhos sejam pessoas fracas, como eu fui. Quero que eles sejam fortes e capazes de suportar as críticas e os infortúnios que o mundo real tem a oferecer. Também desejo que eles sejam criativos e corram riscos (mas não muitos riscos).

Suspeito que os caras que administram o website do Greater Good discordarão não só daquilo que estou fazendo como pai no cotidiano, mas também dos objetivos que estou tentando alcançar.

por Steven D. Levitt

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s