A fauna

Mc Donald’s. Avenida Paulista. 17 minutos na fila – tempo suficiente para observar a fauna variada do lugar. Todos os pêlos, todas as raças. Um mundo. E, começando pelo topo da escala evolutiva desse mundo…
“Os Engravatados” – ternos perfeitamente cortados, gravatas no lugar, camisas engomadas. Eles não pedem BigMac. Pedem cafés, água, um docinho no máximo. Têm a versão feminina, em tailleurs ou ternos de alfaiatria e scarpins que parecem ter saído da loja naquele instante. Ah! Eles não suam e elas têm a pele perfeita!
Abaixo deles, “Os Aspirantes” – são os quase engravatados. Eles, de camisas com dobradas e calças bem cortadas. Elas, com sapatos de bico fino, saltos alto, calças e camisa. Eles não comem batatas fritas. Mas suam, as camisas ficam amassadas e os sapatos são usados.
“Os Normais” – jeans, camiseta, tênis, sapatilhas… gente assim, como eu e você, que come BicMac, batata e lambe o ketchup do dedo.
“Adolescentes” – estão uniformizados, seja com o conjunto calça/blusa de um colégio, seja com calça jeans, camiseta descoladinha e AllStar. Têm uma comunicação própria, sempre um tom acima do suportável. Comem tudo que podem, inclusive o do colega, e ainda pedem um mega sundae para finalizar.
Ei… você nunca os tinha percebido? Então o seu fast food tem sido realmente fast demais!

A procuradora e a empregada – colunistas da Revista Época

Era uma noite de segunda-feira. Há um mês, a procuradora do Trabalho Ana Luiza Fabero fechou um ônibus, entrou na contramão numa rua de Ipanema, no Rio de Janeiro, atropelou e imprensou numa árvore a empregada doméstica Lucimar Andrade Ribeiro, de 27 anos. Não socorreu a vítima, não soprou no bafômetro. Apesar da clara embriaguez, não foi indiciada nem multada. Riu para as câmeras. Ilesa, ela está em licença médica. A empregada, com costelas quebradas e dentes afundados, voltou a fazer faxina.

Na hora do atropelamento, Ana Luiza tinha uma garrafa de vinho dentro da bolsa. Em vez de sair do carro, acelerava cada vez mais, imprensando Lucimar. Uma testemunha precisou abrir o carro para que Ana Luiza saísse, trôpega, como mostrou o vídeo de um cinegrafista amador.

Rindo, Ana Luiza disse, para justificar a barbeiragem: “Tenho 10 graus de miopia, não enxergo nada”. E, sem noção, tentou tirar os óculos do rosto de um rapaz. A doutora fez caras e bocas na delegacia do Leblon. Fez ginástica também, curvando e erguendo a coluna. Dali, saiu livre e cambaleante para sua casa, usando um privilégio previsto em lei: um procurador não pode ser indiciado em inquérito policial. Não precisa depor. Não pode ser preso em flagrante delito. Não tem de pagar fiança. A mesma lei exige, porém, de procuradores um “comportamento exemplar” na vida. Se Ana Luiza dirigia bêbada, precisa ser afastada. Se estava sóbria, também, pela falta de decoro.

Foi aberta uma investigação disciplinar e penal contra ela em Brasília, no Ministério Público Federal. Levará cerca de 120 dias. Enquanto seus colegas juízes a julgam, Ana Luiza Fabero está em “férias premiadas” no verão carioca. Ela não respondeu a vários e-mails e a assessoria de imprensa da Procuradoria informou que o procurador-chefe não falaria nada sobre o assunto porque “o processo está em Brasília”.

Lucimar está traumatizada, com medo de se expor, porque a atropeladora tem poder. Não procurou um advogado. Nasceu na Paraíba e acha que nunca vai ganhar uma ação contra uma procuradora do Trabalho. Lucimar recebe R$ 700 por mês, trabalha em casa de família, tem um filho de 6 anos e é casada com Aurélio Ferreira dos Santos, porteiro, de 28 anos. Aurélio me contou como Lucimar vive desde 10 de janeiro, quando foi atropelada na calçada ao sair do trabalho: “Minha mulher anda na rua completamente assustada e traumatizada. Estou tentando ver um psicólogo, porque ela não dorme direito, acorda toda hora com dor. É difícil até para ela comer, porque os dentes entraram, a boca afundou. Estamos pagando tudo do nosso bolso, particular mesmo, porque no hospital público tem muita fila”.

A atropelada, traumatizada, nem procurou advogado. Acha que nunca ganharia uma ação contra a doutora
Lucimar quebrou duas costelas, o joelho ficou bastante machucado, o rosto ficou “todo deformado e inchado”, segundo o marido. Ela tirou uma licença médica de dez dias, mas foi insuficiente. Recomeçou a trabalhar há duas semanas, ainda com muitas dores.

O encontro entre a procuradora e a empregada é uma fábula de nossa sociedade desigual. A história sumiu logo da imprensa. As enchentes de janeiro na serra fluminense fizeram submergir esse caso particular e escabroso. Um mês seria tempo suficiente para Ana Luiza Fabero ao menos telefonar para a moça que atropelou, desculpando-se e oferecendo ajuda. Nada. Além de falta de juízo, ela demonstrou frieza e egoísmo. Vive na certeza da impunidade.

“Somos um país de senhoritos, não carregamos nem mala”, diz o antropólogo Roberto DaMatta, autor do livro Fé em Deus e pé na tábua. DaMatta associa a violência no trânsito brasileiro a nossa desigualdade. Usamos o carro como instrumento de poder e dominação social, um símbolo do “sabe com quem você está falando?”.

“Dirigir um carro é na verdade uma concessão especial, porque a rua é do pedestre”, diz DaMatta. Mas nós desrespeitamos o espaço público. “No caso da procuradora e da empregada, juntamos uma pessoa anônima com uma impunível”, afirma. O Estado é usado para fortalecer o personalismo, a leniência e para isentar as pessoas de responsabilidade física. Em sociedades como a nossa, onde uns poucos têm muitos direitos e a grande massa muitos deveres, Lucimar nem sabe que pode e deve lutar.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI210559-15230,00-A+PROCURADORA+E+A+EMPREGADA.html

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Este blog está em brasa!.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um navio de carga médio pode transportar cerca de 4.500 contentores. Este blog foi visitado 24,000 vezes em 2010. Se cada visita fosse um contentor, o seu blog enchia cerca de 5 navios.

Em 2010, escreveu 19 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 631 artigos. Fez upload de 3 imagens, ocupando um total de 96kb.

O seu dia mais activo do ano foi 28 de setembro com 136 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Hospital mostra o bebê que nasceu com seis quilos no México.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram google.com.br, search.conduit.com, dietaecia.wordpress.com, search.babylon.com e facebook.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por cao, bebe, caes de raça, capitao america e receita de focaccia

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Hospital mostra o bebê que nasceu com seis quilos no México janeiro, 2007
23 comentários

2

Cão nasce com mancha em forma de coração julho, 2007
13 comentários

3

Especialistas comentam eficácia de 30 soluções caseiras julho, 2006
2 comentários

4

O milagre do pão – e receita de focaccia! março, 2007
2 comentários

5

A gemada que cura tudo junho, 2009

Eu quero uma parede dessas!

Parede moderna

Nicho, estante,… o que for, só sei que ficou o máximo! Uma ótima ideia para organizar livros e objetos e ainda preencher de uma maneira bem moderna a parede atrás do sofá, que no máximo, ganharia um quadro. Não sei se estou certa, mas acho que também é uma boa economia no orçamento. Ao invés de fazer tudo de madeira, os nichos podem ser feitos com gesso. A foto veio do blog Inspired me (http://inspiredme.tumblr.com).