Euzinha, Mil coisas...

Hoje, lembrei de Pessoa

Fernando. Pessoa. Talvez devesse lembrar com mais frequência . Antes tarde do que nunca, já diz o ditado.

No mundo rápido, por vezes etéreo – e até líquido -, fazemos coisas por fazer e aceitamos outras pelo simples fato de que isso torna a vida mais simples. E nem sempre somos nós ali, refletidos. Cada vez que fingimos um sorriso, escolhemos uma palavra diferente daquela que realmente queríamos dizer, pensamos e não fazemos, fazemos e não acreditamos,… cada vez, diminuímos um pouco. Qual uma uva passa, secamos.

Aí entra Pessoa, que aqui não é o Fernando, mas Ricardo Reis – uma de suas tantas pessoas…

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.

Odes de Ricardo Reis . Fernando Pessoa. (Notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (imp.1994). – 148. 1ª publ. in Presença , nº 37. Coimbra: Fev. 1933.

E eu… nada mais tenho a escrever!

=)

Padrão